spin
Afirmar o futuro – Políticas públicas para Portugal

AFIRMAR O FUTURO

QUE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PORTUGAL

Viriato Soromenho-Marques

Comissário da Conferência

Há uma pergunta clássica, que os povos repetem em todos os momentos críticos da sua história: “como poderemos transformar um período de declínio num ciclo de progresso?”. Essa pergunta foi colocada nos alvores da formação da moderna economia de mercado, no tratado de Adam Smith que fundaria a ciência económica, em 1776. Mas o que está hoje em causa na interrogação sobre a origem da riqueza das nações é muito mais complexo. Num sistema internacional, politicamente turbulento, mas financeiramente globalizado e interdependente, a questão sobre a raiz da riqueza ou da pobreza afectando povos inteiros tem de ser afinada e refinada com a ponderação de outras variáveis emergentes, como seja, para o caso de Portugal, os riscos inerentes à longa estagnação política da União Europeia, e a própria alteração do conceito de crescimento que a entrada em cena de uma crise global do ambiente necessariamente exige.

A história mundial dos últimos dois séculos mostra-nos, com abundância de casos comprovativos, que as políticas públicas são o principal instrumento da inteligência colectiva, capaz de contrariar as desvantagens das nações, seja no que concerne à escassez de recursos naturais, seja no peso acumulado de inércias históricas negativas. As políticas públicas são visões activas de futuros possíveis, capazes de mobilizar a sociedade para as tarefas do progresso material, mas também para o aprofundamento da justiça e o alargamento da cidadania. As múltiplas dimensões da crise que afecta hoje Portugal, exigem que sejamos capazes de nos reerguer e convergir como sociedade em torno de novas visões do futuro comum.

É neste contexto que temos de inserir o desígnio da Fundação Calouste Gulbenkian de promover nos próximos dia 6 e 7 de Outubro, na sede da Fundação, em Lisboa, uma Conferência subordinada ao tema: “Afirmar o Futuro – Políticas Públicas para Portugal”.

imgAbout

Programa

Abertura

Artur Santos Silva
Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Abertura da Conferência

Viriato Soromenho-Marques
Comissário da Conferência
Tema I

Tema I

Instituições, finanças públicas e reforma do estado


Presidente de Mesa:

José Joaquim Gomes Canotilho
Administrador Não Executivo da Fundação Calouste Gulbenkian

Uma proposta para a reforma do sistema político

Marina Costa Lobo
ICS – Universidade de Lisboa e Institute of Public Policy TJ-CS

A governação da justiça e a celeridade processual

Nuno Garoupa
Presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos

A reforma da administração pública

Miguel Pina e Cunha
NOVA School of Business and Economics, Universidade Nova de Lisboa

Renovar a esperança: uma estratégia orçamental para Portugal

Paulo Trigo Pereira
ISEG – Universidade de Lisboa e Institute of Public Policy TJ-CS

Painel de Discussão

Moderador:
Paulo Magalhães
TVI

Convidados:
Miguel Cadilhe
Ministro das Finanças, 1985-90

António Bagão Félix
Ministro da Segurança Social e Trabalho, 2002-04; Ministro das Finanças, 2004-05

José António Pinto Ribeiro
Ministro da Cultura, 2007-09

Gerir a Dívida pública numa união monetária e financeira

Conferência de Ricardo Reis,
Columbia University

Apresentado por José Neves Adelino,
Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian
Tema II

Tema II

Economia real e desenvolvimento sustentável


Presidente de Mesa:
Eduardo Marçal Grilo
Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian

Investimento, financiamento e competitividade

João Leão
ISCTE-IUL

mercado de trabalho: Actores e políticas para o século XXI

Mário Centeno
Banco de Portugal e ISEG – Universidade de Lisboa

Inovação, I&D e relações Universidade-Empresa

Manuel Caldeira Cabral
Universidade do Minho

Painel de Discussão

Moderador:
José Pedro Frazão
Rádio Renascença

Convidados:
José Félix Ribeiro
Economista

Ricardo Paes Mamede
ISCTE-IUL

Tiago Pitta e Cunha
Consultor da Presidência da República para os Assuntos da Ciência, Ambiente e do Mar

«Is the Eurocrisis over?»

Conferência de Paul de Grauwe
London School of Economics and Political Science

Apresentado por Artur Santos Silva
Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian
Tema III

Tema III

Políticas sociais


Presidente de Mesa:
Isabel Mota
Administradora da Fundação Calouste Gulbenkian

Despesa pública em saúde: cortando nós górdios

Pedro Pita Barros
NOVA School of Business and Economics e Institute of Public Policy TJ-CS

Reforma Sistémica dos sistemas de pensões

Jorge Bravo
Universidade de Évora

Desemprego, pobreza e exclusão social

Carlos Farinha Rodrigues
ISEG – Universidade de Lisboa e Institute of Public Policy TJ-CS

Painel de Discussão

Moderador:
José Guerreiro
Subdiretor de informação Antena 1

Convidados:
Eugénio Fonseca
Presidente da Cáritas Portuguesa

Margarida Corrêa de Aguiar
Banco de Portugal

Fernando Medina
Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa

Ana Sofia Ferreira
Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, I.P.

O Estado Social somos nós

Conferência de João Lobo Antunes Apresentado por Artur Santos Silva Presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian

«When you find yourself going through hell, look for an exit»

Conferência de Mark Blyth
Brown University

Apresentado por Martin Essayan
Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian
Tema IV

Tema IV

Território, ordenamento e ambiente


Presidente de Mesa:
Teresa Gouveia,
Administradora da Fundação Calouste Gulbenkian

Energia e ambiente

Eduardo Oliveira Fernandes
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Território e cidades

João Seixas com Teresa Sá Marques
ICS – Universidade de Lisboa

Territorialização de políticas sectoriais: cultura e inovação

António Figueiredo com Elisa Babo 
Quaternaire Portugal

Painel de Discussão

Moderador:
João Ferrão
ICS – Universidade de Lisboa

Convidados:
Helena de Freitas
Vice-Reitora da Universidade de Coimbra

Jorge Vasconcelos
Presidente da Comissão para a Reforma da Fiscalidade Verde

Luísa Schmidt
ICS – Universidade de Lisboa

Armando Sevinate Pinto
Ministro da Agricultura, 2002-04

Sessão de encerramento

Viriato Soromenho-Marques
Comissário da Conferência

Artur Santos Silva
Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian


Se preferir descarregue o programa da conferência aqui

Oradores

Ana Sofia Ferreira

Administração Regional de Saúde e Vale do Tejo I.P

Licenciada em Economia (ISEG/UTL), Mestre em Economia e Política Social (Universidade de York) e Diplomada em Administração Hospitalar (ENSP/UNL). Atualmente exerce funções na Administração Regional de Saúde e Vale do Tejo I.P. como Gestora do Contrato de PPP do Hospital de Cascais. Desempenhou funções diversas na área docente, da política e economia da saúde, e de gestão na saúde. Tem apresentado regularmente comunicações e publicado artigos, e/ou capítulos de livros, nestes domínios e, nos anos mais recentes, em especial sobre os temas do financiamento e contratualização na Saúde.

António Bagão Felix

Ministro das Finanças, 2004-05

Economista (ISCEF, actual ISEG, da Universidade Técnica de Lisboa, 1970), Membro do Conselho de Estado, desde 2011, é actualmente Professor Catedrático Convidado na Universidade Lusíada (Finanças Públicas, Ética e Direito da Segurança Social), desde 2005, e Membro da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, desde 2006, Presidente do Conselho Directivo do Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros, desde 2010. Foi Vice-Governador do Banco de Portugal (1992-1994), Membro do Conselho Directivo do Instituto de Seguros de Portugal (1979), Ministro das Finanças e da Administração Pública (2004-2005), Ministro da Segurança Social e do Trabalho (2002-2004), Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional (1987-1991) e Secretário de Estado da Segurança Social (1980-1983). Autor dos livros “Política de Segurança Social” (1983), “Emprego e Formação” (1991), “Do lado de cá ao deus-dará” (2002) e “O cacto e a rosa” (2008),“ O conto do Vigário” (sobre texto de Fernando Pessoa) (2011) e “Trinta Árvores em discurso directo” (2013), bem como de várias publicações de carácter técnico, social e religioso.

António Figueiredo

Quaternaire

Licenciado em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEUP), desempenhou funções de Professor Auxiliar, estando hoje aposentado. Foi responsável na FEUP pela regência e docência de matérias como Desenvolvimento e Crescimento Económico, Macroeconomia, Globalização e Desenvolvimento Económico, Economia da Inovação, Competitividade e Planeamento para a Sustentabilidade, com investigação nos domínios do desenvolvimento económico, globalização e economia da inovação. Foi consultor da CCDR-Norte, com assessoria à Presidência, e para vários municípios. Como consultor internacional tem colaborado em estudos internacionais para a Comissão Europeia e OCDE. Integra a Administração da Quaternaire Portugal desde 1994 e assume a Presidência desde Março de 1999.

Armando Sevinate Pinto

Ministro Da Agricultura (2002-04)

Agrónomo – Instituto Superior de Agronomia (Universidade Técnica de Lisboa).

Director-geral do Ministério da Agricultura (1985-1987).

Director da Comissão Europeia em Bruxelas, entre 1987 e 1993 (do FEOGA/Orientação, das Estruturas e Investimentos Agrícolas, das Florestas, da Investigação Agrária e do Desenvolvimento Rural), de onde saiu a seu pedido.

Ministro da Agricultura do Desenvolvimento Rural e das Pescas (de 2002 a 2004).

Presidente da FILCORK, (Associação Interprofissional da Cortiça) (2004-2006).

Foi Membro do Conselho de Avaliação e qualificação da Ordem dos Engenheiros e da Comissão de Avaliação do Ensino Superior do Ministério da Educação.

É membro da Academia de Engenharia.

Foi membro do Conselho Geral da Universidade de Évora.

Foi membro do Conselho de Avaliação e Qualidade do Instituto Politécnico de Beja.

Trabalhou como consultor com várias empresas agrícolas e agro-industriais.

É coordenador técnico da Agroges.

Gere uma empresa agrícola familiar.

Foi Consultor do Presidente da República para as questões relacionadas com a Agricultura e com o Mundo Rural de 2006 a Março de 2014.

ARMÉNIO REGO

Universidade de Aveiro

Arménio Rego ensina na Universidade de Aveiro e tem colaborado com outras instituições de ensino superior, dentro e fora do país. É autor ou coautor de mais de quarenta livros nas áreas da liderança e da gestão de pessoas. Tem realizado formação, coaching e consultoria nas mesmas áreas. Publicou em revistas como Human Relations, International Journal of Human Resource Management, Journal of Business Ethics, Journal of Business Research, Journal of Occupational Health Psychology, Leadership Quarterly, e Organization Studies. Criou, com Miguel Pina e Cunha, uma ferramenta de avaliação 360 graus, COMPASS, para o desenvolvimento da liderança positiva. Com trabalhos de investigação premiados em Portugal e no estrangeiro, a APG considerou-o, em 2014, uma das 25 pessoas mais influentes da gestão de pessoas em Portugal.

Artur Santos Silva

Fundação Calouste Gulbenkian

Presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, desde maio de 2012, tendo anteriormente exercido funções como Administrador não executivo. É Presidente do Conselho de Administração do Banco BPI e da Partex Oil & Gas (Holdings) Corporation. Artur Santos Silva é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra (1963), tendo concluído o Stanford Executive Program pela Universidade de Stanford em 1985. A sua atividade profissional inicia-se como Assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1963/67), tendo ainda sido Docente convidado da Universidade Católica Portuguesa (Porto, 1979/85) e da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1980/82). Iniciou a sua carreira no sector bancário como Diretor do Banco Português do Atlântico (1968/75). Em 1981, foi criada sob sua iniciativa a Sociedade Portuguesa de Investimento (SPI), primeira instituição financeira privada após a revolução de Abril de 74, que se transformaria, em 1985, no primeiro banco privado português (BPI). Entre os vários cargos que desempenhou destacam-se o de Presidente da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República e de Presidente do Conselho Geral da Universidade de Coimbra. Foi Vice-Governador do Banco de Portugal (1977/78) e Secretário de Estado do Tesouro (1975/76).

Álvaro Novo

Banco de Portugal

Álvaro A. Novo é doutorado pela Universidade do Illinois em Urbana-Champaign (EUA). É economista no Departamento de Estudos Económicos do Banco de Portugal e professor na Universidade Lusófona. As suas áreas de interesse incluem vários tópicos da economia do trabalho, tais como seguro de desemprego, salários e rotação de trabalhadores e avaliação de políticas activas de emprego. A sua investigação tem sido pulicada em várias revistas científicas internacionais: Labour Economics, Econometric Theory, Economics Letters, Empirical Economics, Oxford Bulletin of Economics and Statistics, Journal of European Labour Studies e Portuguese Economic Journal. Em 2009 tornou-se Research Fellow do Institut zur Zukunft der Arbeit (IZA).

CARLOS FARINHA RODRIGUES

ISEG

Carlos Farinha Rodrigues é Professor do ISEG da Universidade de Lisboa. É investigador do Cemapre, membro da direcção do Instituto de Políticas Públicas Thomas Jefferson-Correia da Serra, coordenador científico do Observatório das Desigualdades do (CIES-IUL) e assessor do Instituto Nacional de Estatística. Desde 2013 é Coordenador do Mestrado em Economia e Políticas Públicas do ISEG. Doutorado em Economia as suas áreas de investigação são: Distribuição do Rendimento, Desigualdade e Pobreza; Política Social, Avaliação de Políticas Públicas. Foi recentemente responsável pelo estudo “Desigualdades Sociais” desenvolvido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Carlos Pimenta

Plataforma para o Crescimento Sustentável

Licenciado em Engenharia Electrotécnica pelo IST. É Presidente do think tank Plataforma para o Crescimento Sustentável, membro dos Conselhos de Administração de diversas empresas no sector da energia renovável e Presidente da Assembleia Geral da Academia de Engenharia. Foi Secretário de Estado do Ambiente (Jun.1983 a Jun. 1984 e NOV 85 a Jul. 1987) e Secretário de Estado das Pescas (Fev. a Nov. 1985). Foi também Deputado à Assembleia da República (Outubro 1985, 1987, 1991 e 1995), Deputado ao Parlamento Europeu (1987, 1989 e 1994), Membro e relator do Parlamento Europeu e da GLOBE relativamente à Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC), e Protocolo de Quioto; Presidente da Direção da Associação de Estudantes do IST (1978/79); Fundador da UGT; Fundador do GEOTA, (1981); Presidente do Congresso da JSD (Out. de 1984 a Out. 1986); Coordenador do Gabinete Estudos do PSD (1990/1991); Presidente do Instituto Francisco Sá Carneiro, (1998/1999); Vice-Presidente da Comissão Política Nacional do PSD (1995/1996) e (1997/1999); Presidente da GLOBE EU. Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Diversas publicações no domínio da Energia e Ambiente.

Eduardo de Oliveira Fernandes

Universidade do Porto

Licenciado em engenharia mecânica, professor catedrático da Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Portugal, Doutor pela Escola Politécnica Federal de Lausanne, Suíça (1973) e pela Universidade Portuguesa (1974) e agregado pela Universidade do Porto (1979). Na sua atividade profissional conta com mais de quarenta ano de ensino, investigação, consultoria e políticas públicas sobre temas da energia e do ambiente. Desempenhou funções públicas como Vice -Reitor da Universidade do Porto (1986 -1991), Secretário de Estado do Ambiente (1984 -1985), Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Economia (Energia e Inovação) (2001 -2002). Foi Secretário e Vice-Presidente da PLEA (Passive and Low Energy Architecture) e Vice-presidente (1991-95) e Presidente da ISES (International Solar Energy Society (1995-97), consultor da DGXII (hoje DG Research) 1987-1996. Autor do projeto 'Energia' da Expo 98, criador do quadro de regulamentação térmica dos edifícios (1983-2006) de Portugal, autor do caderno de encargos da energia da Igreja da Santíssima Trindade (Fátima), Promotor de blocos de 16 fogos de habitação social de baixo consumo energético (Vila do Conde e Vila Nova de Famalicão), Consultor da CCDRN e CCDLVT para a Energia e Presidente da Agência de Energia do Porto (2006-2014) e do Conselho Científico da Agência de Energia de Lisboa (2002-presente).

Eduardo Marçal Grilo

Fundação Calouste Gulbenkian

Nasceu em 1942, em Castelo Branco. Licenciado (1966) e doutorado (1973) em Engenharia Mecânica pelo Instituto SuperiorTécnico da Universidade Técnica de Lisboa, obteve o grau de «Master of Science in Applied Machanics» pelo Imperial College – Universidade de Londres (1968). Foi agraciado com a Ordem da Instrução Pública em1986, a Ordem do Mérito em 1994 e a Ordem de Sant’Iago da Espada em 2006. É administrador da Fundação Calouste Gulbenkian desde Outubro de 2000 e vice-presidente e administrador-delegado da Partex Oil and Gas (Holdings) Corporation desde 16 de Julho de 2002. Trabalhou no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (1966-76), foi director geral do Ensino Superior (1976-80), consultor do Banco Mundial (1980-91), director do serviço para a Cooperação da Fundação Calouste Gulbenkian (1989-95), Presidente da Conferência Regular para os Problemas Universitários do Conselho da Europa (1983- 84), Presidente do Conselho Nacional de Educação (1992-1995) e Ministro da Educação do XII Governo Constitucional (1995-1999), membro do Magna Charta Universitatum Observatory (2000-2007), membro do Selection Board do Programa ERASMUS MUNDUS e do Council of the United Nations University (2004-2010). É atualmente membro da Assembleia Geral da Fundação Internacional Yehudin Menuhin, bem como da International Commission do Council for Higher Education Accreditation, Presidente da Unidade de Missão para a Solidariedade e Responsabilidade Olímpica-Comité Olímpico de Portugal – desde Maio 2014, Membro do Conselho de Curadores da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior e Coordenador do Subcomité da Educação - LIDE Portugal desde 2013,e ainda Membro Honorário da Academia Europaea desde- Setembro 2008 Tem participado em conferências e missões no âmbito de diversas organizações internacionais, tais como: Conselho da Europa, OCDE, UNESCO, Grupo Banco Mundial /BIRD /IDA/ EDI, PNUD, USAID, Seminário de Salzburg, União Europeia, CEDEFOP, European University Association e Forum 2000 Conference, em Praga. É autor ou co-autor de diversos livros, relatórios e artigos nos domínios da Engenharia, Ajuda ao Desenvolvimento e da Educação/Formação, entre os quais: “Perspectivas do Ensino Superior na década de 80”, -“Política Educacional num contexto de Crise e Transformação Social”, (Moraes Editores) 1980; “Higher Education in Portugal” in The Westem University on Trial. Edited by John Chapman-1983; “Política de Investigação” - Conferência Internacional sobre a Integração de Portugal na CEE, APRI, 1985; “The contribution of Higher Education to Modernization in Portugal”- European Journal of Education - Vol23/1988; “Le Rôle et les Fonctions des Universitées - OCDE-1985; ”Field trips to Latin América” - CRE action-nº90-1990; ”The Transformation of Higher Education in Portugal” in Higher Education Policy Series-JKingsley Pub-1993; “Difícil é Sentá-los”- Oficina do Livro-2001; “Desafios da Educação – Ideias para uma política educativa no Séc. XXI”- Oficina do Livro-2002; ”European Higher Education Society”- Tertiary Education and Management –Vol.9nº1-2003; “The Portuguese and Mathematics” - Bulletin of the International Center for Mathematics-2004.

Elisa Babo

Quaternaire

Elisa Pérez Babo nasceu no Porto em 1957. Licenciada em Economia pela Faculdade de Economia do Porto, é mestre em Planeamento do Território - Inovação e Políticas de Desenvolvimento (Universidade de Aveiro). Quadro superior da Comissão de Coordenação da Região do Norte, de 1981 a 1991, integra atualmente os quadros da Quaternaire Portugal, com funções de Vogal da Administração. Representou o Ministério da Cultura no Grupo de Missão para preparação da Candidatura de Guimarães CEC 2012 e é Presidente do Conselho de Administração da Fundação Museu do Douro. Docente na ULP.

EUGÉNIO FONSECA

Cáritas Portuguesa

Eugénio da Cruz Fonseca (Setúbal, 1957). Licenciado em Ciências Religiosas pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa. Em 1999, foi nomeado, pela Conferência Episcopal Portuguesa, Presidente da Cáritas Portuguesa, cargo que actualmente exerce. Em 1996, foi eleito Presidente- Adjunto da União das Instituições Particulares de Solidariedade Social, agora designada de Confederação das Instituições de Solidariedade Social, cargo que exerceu até Fevereiro de 2012. De 1996 a Fevereiro de 2012, integrou a Comissão Nacional do Rendimento Mínimo Garantido, agora designada Comissão Nacional do Rendimento Social de Inserção. Em 2001, integrou a Comissão Nacional para o Ano Internacional dos Voluntários. De 2002 a Janeiro de 2012, foi membro do Conselho Consultivo, como personalidade de reconhecido mérito, para os Assuntos dos Imigrantes (COCAI). Em 2003, tomou posse como membro efectivo do Conselho Económico e Social, cargo que ainda exerce. Em 2006, foi escolhido pelas Associações Nacionais de Voluntariado para assumir a presidência da Comissão Instaladora da Confederação Portuguesa de Voluntariado. Em 2009, foi eleito para a Direcção desta Confederação. Nesta qualidade integra, como observador, o Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado. Em 2007 foi designado pelo Conselho Económico e Social membro da Comissão de Acompanhamento do Programa Operacional Regional de Lisboa (POR LISBOA), do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN). Desde 2007 preside à Assembleia –Geral da Liga dos Amigos do Hospital de S. Bernardo, em Setúbal. Desde 2009, integra os Conselhos Gerais do Instituto Politécnico de Setúbal e da Escola Profissional de Setúbal. Desde 2011, integra o Conselho de Patronos do Programa Energia Com Vida da EDP GÁS. Desde 2013, por Despacho do Ministro da Educação preside ao Júri do Selo de Escola Voluntária/2012. Desde 8 de Julho de 2014, por convite de Sua Excelência o Presidente da República integra, como vogal o Conselho das Ordens de Mérito Civil. Tem publicado artigos nas áreas do social, da religião e da educação em revistas da especialidade e em jornais nacionais, regionais e locais.

Fernando Medina

Câmara Municipal de Lisboa

Fernando Medina Maciel Almeida Correia nasceu em 1973 no Porto. É licenciado em economia, pela Universidade do Porto e mestre em Sociologia Económica pelo ISEG, com uma tese sobre a globalização económica numa perspetiva histórica. Foi assessor do INOFOR durantes os anos de 1999 e 2000, assessor do Primeiro-Ministro para as áreas da educação, ciência e tecnologia, entre 2000 e 2002, e assessor do Presidente da Comissão Executiva da Agência Portuguesa para o Investimento. Durante os XVII e XVIII Governos Constitucionais foi, respetivamente, Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional e Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Economia. Em 2011 foi cabeça de lista do Partido Socialista e eleito deputado à Assembleia da República pelo círculo de Viana do Castelo, mandato que exerceu até ter sido eleito, nas últimas eleições autárquicas, Vereador e Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, com os Pelouros das Finanças, Recursos Humanos e Turismo.

Helena Freitas

Universidade de Coimbra

Helena Freitas doutorou-se em Ecologia pela Universidade de Coimbra em 1993, em colaboração com a Universidade de Bielefeld, Alemanha, e realizou um pós-doutoramento na Universidade de Stanford, EUA, entre 1994 e 1996. É actualmente Professora Catedrática do Departamento de Ciências da Vida (DCV) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e Vice-Reitora da mesma Universidade (desde Março de 2011). Integrou o Conselho Geral da Universidade de Coimbra e foi Directora do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (2004-2012). Foi Presidente da Liga para a Protecção da Natureza entre 1999 e 2002 e primeira Provedora do Ambiente e Qualidade de Vida de Coimbra (2002-2005). Foi Presidente da Sociedade Portuguesa de Ecologia (2002005-2014) e Vice-Presidente da Federação Europeia de Ecologia (2009-2012). É Coordenadora do Centro de Ecologia Funcional, uma unidade de investigação interdisciplinar no âmbito das Ciências Biológicas, centrando as suas áreas de interesse no estudo do funcionamento dos ecossistemas mediterrânicos, biodiversidade, interacções bióticas, ambiente e conservação da natureza.

Isabel Mota

Fundação Calouste Gulbenkian

Nasceu em Lisboa, em 1951. Licenciada em Finanças pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa (1973). É Membro do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1999. Foi Administradora da Partex Oil and Gas Corporation (até 2007) e é atualmente membro do Comité de Supervisão da Partex Oil and Gas (Holdings) Corporation. Assistente do Instituto Superior de Economia (1973-1975). Foi Subdiretora geral do Gabinete para a Cooperação Económica Externa do Ministério das Finanças (1978-1986) e Conselheira na Representação Permanente de Portugal, em Bruxelas (1986). Na área política, foi Secretária de Estado do Planeamento e do Desenvolvimento Regional nos XI e XII Governos Constitucionais, com responsabilidade nas negociações com a União Europeia dos Fundos Estruturais e de Coesão para Portugal (1987-1995). Foi membro da Comissão Política Nacional do PSD (1993), Vice-presidente da Comissão de Relações Internacionais (1996-1999) e membro do Bureau Político do Partido Popular Europeu (1998). Foi Administradora do Instituto para a Formação de Executivos da Universidade Nova de Lisboa (1977) e membro do Conselho Geral da Telecel Vodafone (2001-2003). Foi membro da Comissão Estratégica dos Oceanos (2003-2004) e coordenou a elaboração da Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável (2004). Foi ainda membro do Conselho Consultivo do Jornal Público. É Conselheira do Conselho Económico e Social-Portugal (desde 2010). Integra o Grupo de Especialistas do Ministério do Desenvolvimento Regional e faz parte do Conselho Diretivo do Conselho Português do Movimento Europeu. É Vogal do Conselho das Ordens Honoríficas Portuguesas. É membro dos Júris do Prémio Jacques Delors, do Prémio de Inovação e Empreendedorismo COTEC-BPI e também do Prémio Carreira da Universidade Católica de Lisboa. É membro do Conselho Consultivo da Grace e também do Conselho Consultivo de Reflexão Estratégica da Rarissimas. Integra ainda o Conselho Estratégico do Junior Achievement Portugal. Foi prémio "Dona Antónia Ferreira" e agraciada com a Medalha de Serviços Distintos Grau "Ouro" do Ministério da Saúde. Foi distinguida com os graus de Grande Oficial e Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

João Ferrão

ICS

Nascido em 1952. Licenciado em Geografia, Faculdade de Letras da UL. Doutorado pela UL em Geografia Humana. É atualmente investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e coordenador da Linha Temática SUSTAIN e do Conselho dos Observatórios do ICS-UL. Docente no departamento de Geografia da Faculdade de Letras de Lisboa (1976-95) e na Universidade Atlântica (1996-2000). Presidente da APDR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (1987-1990). Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades no XVII Governo Constitucional (2005-9). Membro do Conselho Científico das Ciências Sociais e Humanidades da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (2010-13). Foi coordenador nacional de diversos projetos e redes de investigação internacionais, nomeadamente no âmbito de vários Programas - Quadro da Comissão Europeia e da European Science Foundation. Desenvolveu atividades de consultoria na área da geografia económica e social e do desenvolvimento regional e urbano. Foi consultor da OCDE (Programa de Desenvolvimento Rural, 1993). Coordenou diversos estudos de avaliação de políticas públicas, para o Governo português e para a Comissão Europeia, incluindo a avaliação ex-ante dos Quadros Comunitários de Apoio II e III (Portugal). Publicou, individualmente ou em colaboração, dezenas de artigos em revistas nacionais e estrangeiras e diversos livros sobre temas relacionados com geografia, ordenamento do território e políticas de desenvolvimento local e regional. É representante do Conselho dos Reitores das Universidades Portuguesas no CNADS (Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável). É pró-reitor da Universidade de Lisboa para a sociedade e comunidades locais.

João Leão

ISCTE-IUL

João Leão é Professor de Economia no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa desde 2008 e Director do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério d Economia desde 2010. É membro do Conselho Económico e Social e do Conselho Superior de Estatística. Foi presidente da Comissão Cientifica do Departamento de Economia e Director do Doutoramento em Economia do ISCTE. Integrou a delegação portuguesa no Comité de Política Económica da OCDE em 2010 e 2012. É doutorado em Economia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e licenciado em Economia pela Universidade Nova de Lisboa.

João Lobo Antunes

Universidade de Lisboa

Professor Jubilado da Faculdade de Medicina de Lisboa e Presidente Emérito do Instituto de Medicina Molecular, de que foi fundador. Entre 1971 e 1984 trabalhou no Instituto Neurológico da Universidade de Columbia em Nova Iorque, onde ensinou. Foi “fellow” da Fundação Fulbright e da Fundação Matheson. Foi professor visitante em numerosas instituições, entre as quais a Universidade de Pequim. É autor de mais de 170 artigos científicos e sobre temas culturais e quatro volumes de ensaios. Em 2010 publicou uma colectânea de escritos sobre ética, “Inquietação Interminável”, e uma biografia de Egas Moniz. Na colecção da Fundação FMS publicou em 2012 um ensaio intitulado “A Nova Medicina” em que analisa a evolução da medicina nas últimas décadas na perspectiva do conhecimento, da prática e da ética. Fez parte da Comissão que, sob liderança de Lord Crisp, elaborou o estudo “The Future for Health” promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e recentemente apresentado. Entre outras distinções conta o Prémio Pessoa (1996) e o Prémio da Universidade de Lisboa (2012) e a medalha de honra da Sociedade Europeia de Neurocirurgia de que foi Presidente É Conselheiro de Estado desde 2006.

João Seixas

ICS

Professor e investigador universitário nas áreas dos estudos urbanos, da sociopolítica urbana e da economia das cidades e das metrópoles. Investigador associado do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; pesquisador associado do Observatório das Metrópoles, UFRJ/Brasil. Consultor da Câmara Municipal de Lisboa e do programa URBACT (Políticas Urbanas, Comissão Europeia). Comissário da Carta Estratégica de Lisboa. Coordenador de diversos projectos científicos e aplicados de desenvolvimento urbano e de regeneração urbana. Diversas publicações científicas de âmbito nacional e internacional. Livros mais recentes: Urban Governance in Southern Europe (2012, Ashgate, Londres); A Cidade na Encruzilhada (2013, Afrontamento, Porto); Governação de Proximidade (INCM, Lisboa, 2014). Professor convidado da Universidade Autónoma de Barcelona e da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Cronista de temas urbanos no jornal Público. Sócio e co-administrador da livraria Ler Devagar.

Jorge Bravo

Universidade de Évora

Professor na Universidade de Évora (UE) e Professor Convidado da Universidade Nova de Lisboa - ISEGI. É doutorado e licenciado em Economia pela UE e Mestre em Economia Monetária e Financeira pelo ISEG-UTL. É Professor Convidado da Université Paris-Dauphine em Paris. Coordena o Observatório dos Riscos Biométricos da Associação Portuguesa de Seguradores e é membro do Banco BBVA Pensions Institute. É consultor do INE, dos Ministérios das Finanças e da Solidariedade e Segurança Social e de grandes seguradoras nas áreas de risk management & pension systems.

Jorge Vasconcelos

Comissão para a Reforma da Fiscalidade Verde

Licenciado em engenharia electrotécnica pela Universidade do Porto e doutorado pela Universidade de Erlangen-Nuremberga. Exerceu actividade académica em Portugal, na Alemanha e em Itália, além de colaborar regularmente com várias universidades europeias e americanas. Entre 1986 e 1996 trabalhou na indústria, na Alemanha e em Bruxelas. Foi o primeiro presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e do Conselho dos Reguladores Europeus de Energia. Fundador da Florence School of Regulation. Desde 2007 presidente da NEWES, New Energy Solutions. Consultor de várias organizações internacionais e autoridades nacionais em regulação, política energética e utilização de novas tecnologias de informação e comunicação.

JOSÉ ANTÓNIO PINTO RIBEIRO

Ministro da Cultura, 2007-09

Nascido em Moçambique, residiu no Porto em 1952 e 1964, onde estudou no Colégio Alemão do Porto e no Liceu Normal D. Manuel II. Em 1969 licenciou-se em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, com a média de 17 valores. Lecionou no ISEG, no ISCTE, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa entre 1970 e 2002. Cumpriu o serviço militar na Marinha tendo lecionado na Escola Naval entre 1973 e 1975. Advogado desde 1971, fundou a Jorge Abreu, José António Pinto Ribeiro, José Maria Martins Soares, Paulo Lowndes Marques & Associados, em 1973, e a J. A. Pinto Ribeiro & Associados, em 1975, sedeada na Rua Duque de Palmela, em Lisboa, de que é Sénior Partner. Foi Director jurídico da Área Internacional do Banco Português do Atlântico, constituiu a Sociedade Interbancária de Serviços - SIBS e presidiu ao Comité Jurídico da Federação Bancária da União Europeia (1995-1998), como representante da Associação Portuguesa de Bancos. É presidente da Assembleia-Geral de várias sociedades, e foi administrador não executivo de várias sociedades, nomeadamente da Portucel, SGPS, S.A., da PT Multimédia, S.A.. Foi Fundador e Presidente do Fórum Justiça e Liberdades entre 1988 e 1996 e participou num programa semanal do Fórum Justiça e Liberdades na TSF, o “Direito e o Avesso”. Integrou a Comissão Nacional para as Comemorações do 50º Aniversário da Declaração dos Direitos do Homem a partir de 1998. Como comentador, colaborou com a TSF, a RTP e a SIC. Foi Ministro da Cultura do XVII Governo Constitucional da República Portuguesa, funções que exerceu entre 30 de Janeiro de 2008 e 26 de Outubro de 2009. Em 10 de Dezembro de 2009 foi eleito, pela Assembleia da República, Membro do Conselho Superior do Ministério Público, cargo que exerceu entre 22 de Janeiro de 2010 e Novembro de 2011. Foi agraciado com a Ordem da Liberdade, Grande Oficial, (Portugal); com a Grande Cruz de Mérito, com Estrela e Faixa, (República Federal da Alemanha); com a Grande Cruz de Mérito, com Estrela e Faixa, (República da Polónia). Foi ainda em 10 de Dezembro de 2013, distinguido com a Medalha de Honra da Ordem dos Advogados portugueses. Tem vários artigos e obra publicados no domínio do direito e de opinião.

José Félix Ribeiro

Economista

Nascido em Lisboa em 23 de Junho de 1948. Licenciado em Economia pelo ISCEF em 1971 e Doutorado em Relações Internacionais pela Faculdade de Ciências sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2012 Carreira profissional na Administração Pública em órgãos de estudo, prospetiva e planeamento de 1973 a 2012 Incluindo o GEBEI - Grupo de Estudos Básicos de Economia Industrial; Serviço de Estudos e Planeamento da JNICT-- Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica e DPP Departamento de Prospetiva e Planeamento onde foi Subdirector Geral de 1995 a 2006 com a responsabilidade das áreas de informação Internacional e Prospetiva Membro do IPRI-Instituto Português de Relações Internacionais Numerosos estudos e artigos publicados, na área de economia internacional, prospetiva e estratégias de desenvolvimento

José Guerreiro

Antena 1

Nasceu em 1969, natural de Pinhal Novo. Comecou no jornalismo radiofónico em 1991, depois de concluir um curso ministrado pela TSF onde, aliás, iniciou a carreira profissional, sobretudo como repórter. No final 1997 entrou na Antena 1. Foi repórter, editor, coordenador e, agora, é subdiretor de informação da rádio pública.

José Joaquim Gomes Canotilho

Fundação Calouste Gulbenkian

Pinhel, 1941. Professor Catedrático de Ciências Jurídico-Políticas, fez a sua carreira na Universidade de Coimbra onde ainda se mantém como membro do Conselho Geral da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação.

 Defensor Oficioso no Tribunal Militar Territorial de Viseu e Oficial de Justiça na Guiné (Outubro de 1967 – Outubro de 1970) Vice-Reitor da Universidade de Coimbra (Março de 1975 a Setembro de 1976) Membro do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais (1987 – 1991) Fundador e membro do Centro Biomédico (1988-2000) Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Faculdade de Direito de Coimbra (1989 – 1990) Fundador e membro do Centro de Estudos de Direito da Comunicação (1991-actualmente) Membro da Comissão de Estudo das Leis de Transição para a Democracia em Angola (1992) Fundador e Presidente do Conselho Diretivo do Centro de Estudos de Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente (C.E.D.O.U.A.) (1994- 2001) Fundador e Diretor do Centro de Estudos Jus Gentium Conimbrigae (1995-2000) Conselheiro de Estado (1996 – 2002) e (2009-2011) Membro da Comissão de Avaliação das Universidades Portuguesas (2000 -2001) Fundador e Presidente da Assembleia-Geral da Associação Cívica República do Direito (2000-2003) Presidente da Assembleia de Representantes da Faculdade de Direito de Coimbra (2000 – 2003) Presidente da Comissão de Avaliação das Faculdades de Direito Portuguesas (2003-2006) Presidente do Conselho Científico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2003-2005) Membro do Instituto Interdisciplinar de Investigação da Universidade de Coimbra Responsável português do Colóquio Portugal – Brasil, ano 2000, na área do Direito Presidente do Conselho Científico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2004-2005) Presidente da Comissão Instaladora do Tribunal Universitário Judicial Europeu (2006-2009) Codiretor, em parceria com o Prof. Doutor Boaventura Sousa Santos, do Curso de Doutoramento “Direito, Cidadania e Justiça para o Séc. XXI”, FDUC/FEUC (2008-2012) Presidente do Conselho de Curadores da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (2008-2013) Membro do Conselho de Curadores da Fundação Francisco Manuel dos Santos (2009-2013) Diretor do Tribunal Universitário Judicial Europeu (2009-2013) Membro da Comissão da Comemoração do Centenário da Instauração da República em Portugal (2010 -2011) Fundador e Presidente da Associação “República do Direito para debater o direito da República” Administrador não-executivo da Fundação Calouste Gulbenkian (2013 – atualmente) Membro do Conselho Geral da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (2013 – atualmente)

José Neves Adelino

Fundação Calouste Gulbenkian

José Neves Adelino é Administrador Executivo da Fundação Calouste Gulbenkian desde 19 de fevereiro 2014. Foi Diretor do Serviço de Finanças e Investimentos (2012-2014) e membro da sua Comissão de Investimentos (2010-2012). Doutorado em Finanças pela Kent State University, USA, foi professor catedrático de Finanças da Nova School of Business and Economics da Universidade Nova de Lisboa entre 1981 e 2012. Ocupou, entre outros cargos, o de diretor da Faculdade. Os seus interesses académicos centraram-se, na área de Finanças de Empresa, tendo sido responsável por cadeiras de Finanças Empresariais, Fusões e Aquisições, Governo Empresarial e Finanças Internacionais.

José Pedro Frazão

Rádio Renascença

Editor de informação da Radio Renascença, função que exerce há mais de uma década. Apresenta o programa Edição da Noite, único espaço alargado e diário de informação noturna na radio nacional, onde se incluem os programas Falar Claro, Fora da Caixa, Conselho de Diretores , entre outros debates. Como repórter,  efectuou a cobertura de eventos em zonas de conflito, como a Bósnia, Sérvia, Kosovo, Paquistão, Irão e ainda nos atentados de Londres em 2005. Efectuou colaborações especiais para a TVI, Público, BBC e Radio France Internacional. Premio revelação de Rádio do Clube Português de Imprensa 2002, pelas suas reportagens durante a guerra do Afeganistão, Prémio Melhor Reportagem Multimedia (distinção colectiva), Obciber, 2010, como repórter na reportagem Berlim:20 anos. Em 2007, recebeu o American Club Award - Innovative Journalism in All Media. Com especialização também na área ambiental, tem vindo a efectuar trabalhos sobre as principais questões relacionadas com este sector desde 1999. Acompanhou as Cimeiras da Terra de Joanesburgo e Rio+20.

José Santana Pereira

ICS

José Santana Pereira, doutorado em Ciências Políticas e Sociais pelo European University Institute, é investigador de pós-doutoramento no ICS, Universidade de Lisboa. Os efeitos dos media na opinião pública, os sistemas de media europeus, o comportamento eleitoral e as atitudes políticas são os seus principais interesses de investigação. Nos últimos seis anos, colaborou em quatro projectos de natureza pan-Europeia sedeados no Robert Schuman Centre for Advanced Research (RSCAS), e foi um dos investigadores responsáveis pelo projecto Media Systems in Europe.

Luís Teles Morais

Institute of Public Policy

Luís Teles Morais é investigador assistente no Institute of Public Policy Thomas Jefferson-Correia da Serra onde trabalhou em projetos como o Orçamento Cidadão ou o Budget Watch. Pós-graduado em Finanças pela NOVA School of Business and Economics (com especialização em Banca, Regulação e Supervisão Financeira), está no Quadro de Mérito do ISEG|ULisboa (Economia, 2013) e passou pela Universidade de Paris I (Panthéon-Sorbonne) em Erasmus.

Luísa Schmidt

ICS

Socióloga, investigadora principal no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde coordena o OBSERVA - Observatório de Ambiente e Sociedade e desenvolve vários projectos de investigação que articulam ciências sociais e ambiente. É membro do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e do European Environment Advisory Council. Integra o Comité Científico do Programa Doutoral interdisciplinar em “Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável” iniciado em 2009. Autora de vários artigos e livros sobre as temáticas de ambiente, alterações climáticas e energia. Colaboradora regular do Jornal Expresso com a coluna “Qualidade Devida” desde 1990.

Manuel Caldeira Cabral

Universidade do Minho

Professor de Economia da Universidade do Minho. Doutorado pela Universidade de Nottingham. Licenciado e Mestre em Economia pela Universidade Nova de Lisboa. Escreve uma coluna no Jornal de Negócios. Foi assessor do Ministro das Finanças do XVIII Governo e assessor do Ministro da Economia e Inovação do XVII Governo. Cooperante na Universidade em Timor Leste (em 2004 e 2007). Foi jornalista do Diário Económico e Semanário Económico antes de iniciar a sua carreira académica.

Margarida Corrêa de Aguiar

Secretária de Estado da Segurança Social (2002-2003) e Banco de Portugal

Directora do Banco de Portugal, actualmente em funções de Consultora da Administração e Directora da Revista Economia e Segurança Social. Faz voluntariado de gestão em organizações sociais não lucrativas, colabora com várias escolas, ordens profissionais e instituições nos domínios da segurança social e da economia social. Foi Administradora da Brisa, Administradora da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, Secretária de Estado da Segurança Social do XV Governo Constitucional, Administradora Delegada da Sociedade Gestora do Fundo de Pensões do Banco de Portugal, desempenhou cargos de gestão em bancos e cargos institucionais do sistema financeiro. É licenciada em Gestão de Empresas, tem formação em Alta Direcção, Sistemas e Tecnologias da Informação, Filosofia e Gestão de Riscos Financeiros. Tem publicações técnicas e especializadas em segurança social e economia social.

Marina Costa Lobo

ICS

Marina Costa Lobo Doutorou-se na Universidade de Oxford em Ciência Política em 2001. É investigadora auxiliar com habilitação do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e membro da Direcção do Instituto de Políticas Públicas Thomas Jefferson Correia da Serra. Tem desenvolvido trabalhos na área das instituições e comportamentos políticos dos portugueses em perspectiva comparada e foi uma das responsáveis pelo lançamento de inquéritos pós-eleitorais em Portugal, a partir de 2002. Foi também responsável pela primeira Bússola Eleitoral em Portugal, aplicação online de apoio ao voto, implementada pela primeira vez nas eleições de 2009. Tem publicado sobre instituições políticas, partidos políticos e a UE, e sobre o impacto dos lideres no comportamento de voto em revistas como a European Journal of Political Research, Political Research Quarterly, Electoral Studies, Análise Social, entre outras. Em 2014 publicou um livro na Oxford Univerity Press, intitulado Personality Politics, Leaders and Democratic Elections, juntamente com John Curtice da Universidade de Strathclyde. É membro do Conselho Editorial da Revista Electoral Studies e Presidente da Comissão de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais.

Mário Centeno

Banco de Portugal e ISEG

Mário Centeno é Professor de Economia no ISEG-UL e consultor do CA no Banco de Portugal. Os seus principais interesses de investigação incluem o seguro de desemprego, o processo de determinação dos salários e a mobilidade dos trabalhadores e dos empregos, bem como a desigualdade na distribuição do rendimento. É licenciado em economia e tem um mestrado em matemática aplicada da Universidade Técnica de Lisboa, bem como um mestrado e um doutoramento em economia pela Harvard University. Os seus trabalhos de investigação estão publicados em várias revistas internacionais.

MARK BLYTH

Brown University

Mark Blyth é Professor de Economia Política Internacional e Assistente do Watson Institute for International Studies na Universidade de Brown. Embora se dedique principalmente às ciências políticas, as suas investigações estendem-se e incluem outras áreas. O Professor Blyth tem um interesse especial na forma como a incerteza e o acaso afetam os sistemas complexos, em particular os sistemas económicos, e o motivo por que as pessoas continuam a acreditar em determinadas ideias económicas, apesar das numerosas provas em contrário. É membro da Warwick Commission on International Financial Reform, que apresentou o projeto de regulação macro-prudencial. É ainda autor de vários livros, incluindo as publicações Great Transformations: Economic Ideas and Institutional Change in the Twentieth Century (Cambridge: Cambridge University Press 2002) e mais recentemente do Livro do Ano (lista de economistas) do Financial Times: Austerity: The History of a Dangerous Idea (Oxford University Press 2013), que questiona o regresso à ribalta da ortodoxia financeira após a crise financeira global.

Martin Essayan

Fundação Calouste Gulbenkian

Martin Sarkis Essayan, bisneto do Fundador Calouste Sarkis Gulbenkian, nasceu em 1959. 

É administrador da Fundação Calouste Gulbenkian desde 20 de Julho de 2005, tendo sucedido ao seu pai na responsabilidade pelos pelouros da Delegação do Reino Unido em Londres e do Departamento das Comunidades Arménias da Fundação Calouste Gulbenkian. É igualmente administrador de St. Sarkis Charity Trust estabelecida pelo fundador para apoiar duas instituições das suas criações: a Igreja de St. Sarkis em Londres e a Biblioteca Gulbenkian em Jerusalém.

Frequentou o Colégio de Eton (1972-77), licenciou-se em engenharia pela Universidade de Cambridge [Emmanuel College (1978-81)] e obteve um MBA pela Harvard Business School (1986-88).

Trabalhou na IBM em Londres, como engenheiro de sistemas (1981-1986), na área das Tecnologias de Informação.

Após terminar a Harvard Business School, ingressou no Boston Consulting Group onde trabalhou durante 15 anos (1988-2003), metade dos quais na qualidade de sócio. Especializou-se na área de serviços financeiros e trabalhou com algumas das principais instituições financeiras do Reino Unido, da Europa e dos EUA. Dirigiu, ou assessorou, várias equipas envolvidas em alguns dos maiores programas de redefinição de estratégia na área dos serviços financeiros europeus.

Miguel Cadilhe

Ministro das Finanças, 1985-90

Licenciou-se em Economia pela Universidade do Porto com a melhor classificação em 1968. Na UP e na Universidade Católica do Porto leccionou e publicou lições. Estudou política macroeconómica na London School of Economics em 1981‐82. Dirigiu o gabinete de estudos do BPA em 1975‐85. Administrou empresas, fundações e bancos (BFE, BBI, FPA, FRAH, BPA, BCP, BII, API, BPN, etc.). Foi Secretário de Estado do Planeamento em 1980 e Ministro das Finanças em 1985--‐89. Tem livros e artigos publicados sobre a realidade nacional. Integra pro bono vários conselhos.

Miguel Pina e Cunha

Universidade Nova de Lisboa

Miguel Pina e Cunha é professor catedrático na Nova School of Business and Economics. Doutorou-se na Universidade de Tilburg. Tem investigado os processos de liderança e mudança organizacional. Na Nova School of Business and Economics foi director da licenciatura e do mestrado em gestão, director do MBA, subdiretor e presidente do conselho científico. Em 2014 a Associação Portuguesa de Gestão de Pessoas considerou-o uma das 25 pessoas mais influentes da gestão de recursos humanos em Portugal.

Nuno Garoupa

Fundação Franscisco Manuel dos Santos

Nuno Garoupa é Presidente da Fundação Franscisco Manuel dos Santos e professor catedrático de Direito na Universidade de Illinois. Colabora com a Católica Global School of Law. A sua área de investigação é o Direito e Economia e Direito Comparado. Autor de mais de oitenta artigos publicados nas melhores revistas académicas da especialidade. Licenciado em Economia pela UNL, Mestre em Economia pelo Queen Mary College e em Direito (LLM) pela Universidade de Londres, Doutorado em Economia pela Universidade de York, Agregado em Microeconomia pela UNL. Foi vice-presidente da European Association of Law and Economics (2004-2007), membro do Board da International Society for New Institutional Economics (2006-2009) e da Latin American and Caribbean Law and Economics Association (2009-2011); editor da Review of Law and Economics (2003-2010) e da International Review of Law and Economics (desde 2012). Prémio Julián Marías 2010, Madrid.

PAUL DE GRAUWE

London School of Economics and Political Science

Antes de ser membro da LSE (London School of Economics), Paul De Grauwe foi Professor de Economia Internacional na Universidade de Leuven, na Bélgica. Foi membro do parlamento belga entre 1991 e 2003. É ainda Doutor Honoris Causa pela Universidade de Sankt Gallen (Suíça), Universidade de Turku (Finlândia) e Universidade de Génova.

Obteve a sua pós-graduação na Universidade Johns Hopkins em 1974.
Foi Professor Convidado em várias universidades – Universidade de Paris, Universidade do Michigan, Universidade da Pennsylvania, Universidade Humboldt de Berlim, Universidade Livre de Bruxelas, Universidade Católica de Louvain, Universidade de Amesterdão, Universidade de Milão, Universidade de Tilburg e Universidade de Kiel. Foi também Professor Visitante do FMI, do Conselho de Governadores da Reserva Federal, do Banco do Japão e do Banco Central Europeu. Foi ainda membro do Grupo de Análise de Política Económica, como consultor do presidente Durão Barroso. Paul De Grauwe foi também diretor da rede de investigação monetária e de finanças macro e internacionais da CESifo, na Universidade de Munique. É Assistente de Investigação no Centro para Estudos Políticos Europeus em Bruxelas. As suas áreas de investigação centram-se nas relações monetárias internacionais, integração monetária, análise teórica e empírica dos mercados de câmbio e macroeconomia da economia aberta. Publicou a obra "The Economics of Monetary Union", Oxford, traduzida em dez línguas (incluindo espanhol, francês, italiano, chinês e japonês) e atualmente na sua 10ª edição. Outras publicações da sua autoria incluem "International Money. Post-war Trends and Theories", Oxford, e "The exchange rate in a behavioural finance framework", Princeton, 2006.

Paulo Magalhães

TVI

Nascido em 1966 em Lisboa. Licenciado em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Fundador da TSF (onde permaneci até 1995). Rádio Renascença (repórter parlamentar e editor de Política). Desde 2009 na TVI, responsável desde 2011 pelo programa "Política Mesmo", todas as noites na TVI24.

Paulo Trigo Pereira

ISEG

Professor Catedrático do ISEG - Universidade de Lisboa e Presidente do Institute of Public Policy Thomas Jefferson-Correia da Serra. Ensina e publica nas áreas de Finanças Públicas e Economia das Instituições. Autor de artigos científicos e vários livros, o último dos quais «Portugal Dívida Pública e Défice Democrático», ganhou o “Prémio de Melhor Livro de Economia e Gestão 2012”. Foi investigador visitante em várias universidades estrangeiras (Amsterdão/UvA, Leicester, London School of Economics, New York, Turku e Yale). É cronista regular do jornal "O Público".

Pedro Pita Barros

NOVA School of Business and Economics

Pedro Pita Barros é licenciado e doutorado em Economia. É Professor Catedrático da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa. Foi investigador convidado na Universitat Autónoma de Barcelona. É membro do Centre for Economic Policy Research (Londres). É autor de diversos artigos científicos, autor e editor de livros publicados internacionalmente, editor chefe e editor associado de revistas científicas na área de economia da Saúde. Foi presidente da Associação Portuguesa de Economia da Saúde. Os seus interesses de investigação centram-se no funcionamento económico do sector da saúde, bem como em aspectos de concorrência e regulação em geral.

Ricardo Paes Mamede

ISCTE-IUL

Doutorado em Economia pela Universidade Bocconi (Milão), Mestre em Economia e Gestão de Ciência e Tecnologia e Licenciado em Economia pelo ISEG/UTL. Professor Auxiliar do Departamento de Economia Política do ISCTE-IUL, onde lecciona desde 1999. Foi Director de Serviços de Análise Económica e Previsão do Gabinete de Estratégia e Estudos do Ministério da Economia e da Inovação (2007/2008) e Coordenador do Núcleo de Estudos e Avaliação do Observatório do QREN (2008/2014). Interesses de investigação: mudança estrutural, inovação e políticas públicas.

Ricardo Reis

Columbia University

Ricardo Reis é professor no departamento de economia da Columbia University. Reis foi promovido a full professor com apenas 29 anos, um dos mais novos na história da universidade, e atualmente dirige o Program for Economic Research na universidade. Reis é investigador associado do National Bureau of Economic Research e do Centre for Economic Policy Research e é um consultor regular em vários bancos centrais por todo o mundo. Ele é o editor do Journal of Monetary Economics, e é membro do conselho de editores da American Economic Review e do Journal of Economic Literature da associação americana de economia, e do Economic Journal da sociedade real de economia em Inglaterra. 
 Em Portugal, escreve regularmente artigos de opinião para a imprensa desde 2005, primeiro no Diário Económico, depois no Expresso, seguido do jornal i, e atualmente todos os Sábados no Dinheiro Vivo, que sai em papel com o Jornal de Notícias e com o Diário de Notícias. Contribui regularmente em conferências, colóquios, e espaços informativos nos media, sobre temas de ciência económica ou sobre a economia portuguesa.
 A sua principal área de investigação é a macroeconomia. A sua pesquisa tem incidido na formulação de teorias de desatenção, modelos de difusão da informação, construção de índices de preços, medição da inflação, e no estudo da política monetária e fiscal. No seu trabalho mais recente tem estudado o papel dos estabilizadores automáticos na política fiscal e no ciclo económico, a solvência dos bancos centrais, e o efeito da inflação na  dívida pública.
 Ricardo Reis foi criado em Leça da Palmeira, Portugal, e obteve o seu B.Sc. na London School of Economics, Inglaterra em 1999, seguido de um A.M. e Ph.D. na Harvard University, EUA em 2004. Entre 2004 e 2008 foi professor auxiliar na Princeton University. Vive em Manhattan com a mulher e dois filhos.

TERESA GOUVEIA

Fundação Calouste Gulbenkian

Teresa Gouveia é administradora da Fundação Calouste Gulbenkian desde Novembro de 2004 e membro da Comissão de Supervisão da Partex Oil and Gas (Holdings) Corporation.

Maria Teresa Pinto Basto Gouveia nasceu em Lisboa, em 1946, e licenciou-se em História pela Universidade Clássica de Lisboa.

Foi Secretária de Estado da Cultura (1985-90), Secretária de Estado do Ambiente (1991-93), Ministra do Ambiente (1993-95), Ministra dos Negócios Estrangeiros (2003-04), e deputada à Assembleia da República pelo PSD-Partido Social Democrata (1987-2004).
No âmbito da sua actividade política, integrou vários órgãos do PSD: Comissão Política da Distrital de Lisboa, Comissão de Relações Internacionais e Comissão Política Nacional (1996-98), de que foi também porta-voz.

Exerceu o cargo de presidente da Fundação de Serralves, entre 2000 e 2003, a cujo Conselho de Administração pertencia desde 1997. Foi administradora da Livraria Bertrand (1990-91), governadora e membro do Conselho Executivo da Fundação Europeia de Cultura, Amesterdão (1990-2002), Presidente do Comité Director de Cooperação Cultural do Conselho da Europa (1985-87), pertenceu ao Conselho Consultivo da Universidade de Lisboa (2007-2008) e do jornal "Público" (1990-91,2002-03), e foi vogal das Ordens Honoríficas Portuguesas (Ordens Nacionais 2001-11).

É membro do ECFR-European Council on Foreign Relations (Londres) e do EFLG-European Former Leaders Group (França).

Teresa Sá Marques

Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Doutorada em Geografia. Professora Associada no Departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Investigadora no Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território. Investiga nas seguintes áreas: Sistemas Urbanos, Redes e Governança (Policentrismo e Politicas de Cidade); Economia e Desenvolvimento Territorial (TIC, Governança e Desenvolvimento Regional); Tecnologias de Informação e Ordenamento do Território (urban change: method application and spatial problems in built environments, with specialisation in new approaches to generating and evaluating plans and policies).

Tiago Pitta Cunha

Consultor da Presidência da República

Tiago Pitta e Cunha é consultor do Presidente da República para os Assuntos da Ciência, Ambiente e do Mar. Foi Membro do Gabinete do Comissário Europeu para os Assuntos Marítimos e Coordenador da nova Política Marítima Integrada da UE, e também coordenador da Comissão Estratégica dos Oceanos. Tiago Pitta e Cunha representou a UE nas Nações Unidas na área dos assuntos marítimos durante as presidências portuguesa e francesa, em 2000, e representou também Portugal na Convenção do Direito do Mar das Nações Unidas, na Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos e no Processo Consultivo Informal das Nações Unidas sobre Oceanos e Direito do Mar. É licenciado em Direito pela Universidade Católica de Lisboa e Legis Magister em Direito Europeu e Internacional pela London School of Economics and Political Science.

Viriato Soromenho-Marques

Comissário da Conferência

Viriato Soromenho-Marques (56) é professor catedrático de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, leccionando nos cursos de Filosofia e de Estudos Europeus. É membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, e da Academia da Marinha. Integra, desde 2013, o Conselho Geral da Universidade da Madeira. Foi membro do Conselho de Imprensa (1985-1987); Presidente nacional da Quercus ANCN (1992-1995); integrou o Conselho Económico e Social (1992-1996). Exerceu as funções de Vice-Presidente da Rede Europeia de Conselhos do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (EEAC), entre 2001 e 2006. É membro do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS); foi coordenador científico do Programa Gulbenkian Ambiente (2007-2011); foi membro do High Level on Energy and Climate Change do Presidente da Comissão Europeia (2007-2010). É Grande Oficial da Ordem de Mérito Civil (1997), e Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (2006). Recebeu o Prémio Quercus, na edição de 2011. Autor de mais de quatro centenas de obras (entre as quais vinte livros) sobre temas filosóficos, ambientais e estratégicos. Proferiu e/ou coordenou mais de mil conferências, seminários, e cursos em vinte e três países. Tem colaboração regular na imprensa escrita e audiovisual.

Zélia Gil Pinheiro

Jurista

Zélia Gil Pinheiro dedica-se ao direito público, após uma experiência de uma década como jornalista n'O Independente. Está especializada em direito do urbanismo e regulação. Foi advogada na Sérvulo Correia & Associados e na Ferreira Pinto & Associados. Licenciada em Direito pela FD de Lisboa, Mestre em Planeamento Regional e Urbano pelo IST, e Pós-graduação em Regulação Pública pela FD de Coimbra.

Papers

TERRITORIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS: INOVAÇÃO E CULTURA
António Figueiredo
Elisa babo
Mais mudança com menos mudanças: Notas sobre a reforma do Estado e o paradoxo da mudança
Miguel Pina e Cunha
Arménio Rego
Despesa pública em saúde: cortando nós górdios
Pedro Pita Barros
Renovar a Esperança: Estratégia Orçamental para Portugal no Quadro do Euro
Paulo Trigo Pereira
Luis Teles Morais
Uma proposta para a Reforma do Sistema Político – A abertura das listas partidárias às eleições legislativas
Marina Costa Lobo
José Pereira
Inovação, I&D e relações Universidade-Empresa
Manuel Caldeira Cabral
Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões
Jorge Miguel Bravo
O Território e as Cidades em Portugal. Filhos de um Deus menor?
João Seixas
Teresa Sá Marques

Financiamento, Investimento e Competitividade
João Leão
REPENSAR A JUSTIÇA EM PORTUGAL
Nuno Garoupa
Zélia Gil Pinheiro

Energia e Ambiente
Eduardo de Oliveira Fernandes
Carlos A. M. Pimenta
Mercado de trabalho: atores e políticas para o século XXI
Mário Centeno
Álvaro A. Novo

Para uma Repartição mais Justa dos Efeitos do Ajustamento
Carlos Farinha Rodrigues

Contribua para Afirmar o Futuro
com as suas ideias e opiniões

Blogue

MAIS TERRITÓRIO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS

MAIS TERRITÓRIO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS

João Ferrão
Grande parte das políticas públicas em Portugal são territorialmente cegas, ignorando a diversidade geográfica do país. Há vários motivos que explicam a ausência persistente do território na formulação e execução de políticas públicas. A mais importante decorre
Novas Politica(s) Energética(s)

Novas Politica(s) Energética(s)

Eduardo de Oliveira Fernandes
Carlos A.M. Pimenta
Imagine-se um novo debate sobre o tema da energia entre nós. Para começar, pense-se a energia como uma rotunda moderna para a qual se querem projectar os ‘acessos’. Destes, os
Uma checklist antes de voltarmos a falar da reforma do Estado

Uma checklist antes de voltarmos a falar da reforma do Estado

Miguel Pina e Cunha
Arménio Rego
Escrever sobre a reforma do Estado é um exercício interessante. É como falar de unicórnios: criaturas maravilhosas, mas nunca avistadas. Para não cairmos no domínio das ideologias, das corporações e de
Políticas Públicas: problemas à procura de soluções

Políticas Públicas: problemas à procura de soluções

Paulo Trigo Pereira
Os tempos que vivemos são difíceis e incertos. Em boa medida, o nosso futuro colectivo está associado à trajectória de evolução da arquitectura da União Europeia e do euro em particular. Os dilemas das dívidas

Parceiro

Parceiros Media


IPP
sic Antena 1